terça-feira, 11 de dezembro de 2018

Outros tempos, outros ventos

Jon Postel, pioneiro da Internet e gestor dos recursos coordenados da rede (nomes de domínio e números IP), usou certa vez, em reunião do IETF (força-tarefa de engenharia da rede), uma camiseta onde se lia “vivemos em tempos interessantes”. Se ele estava sendo óbvio, ou era na acepção de Nelson Rodrigues: “apenas sábios, profetas e gênios enxergam o óbvio”. A coisa é, entretanto, mais capciosa do que parece. Na cultura chinesa (… repito como ouvi dizer) “tempos interessantes” são característicos de mudanças, de crises. São tempos de pouca paz, muita turbulência e inquietudes. Desejar a alguém que “viva tempos interessantes” estaria longe de ser um bom augúrio e, sim, quase um esconjuro. Afinal tempos amenos e de enraizamento são “desinteressantes”. Para o bem ou para o mal, vivemos tempos interessantíssimos. 

Há duas semana houve em Paris o 10.0 fórum de governança da Internet (IGF). Na abertura, discurso do português António Guterres, secretário geral das Nações Unidas, seguido pelo do presidente da França, país hospedeiro, Emmanuel Macron, ambos disponíveis na íntegra na rede a quem quiser aprofundar-se. Limito-me a registrar que Macron discorreu por mais de hora, e abordou temas improváveis a um presidente, até pela abundância nos detalhes técnicos. Não tentarei analisar o cerne do discurso mas, de forma superficial, pareceu-me claro que ele se propõe a encabeçar uma “terceira linha” na rede, sua alternativa ao embate “lado norte-americano” versus “lado chinês”. Há, é claro, motivação pessoal e busca de espaço, mas penso importante não cairmos em generalizações fáceis, que parecem atender às angústias desses “tempos interessantes”. Pelas tantas, ele propõe a busca do que seria uma “Internet higienizada”, e uma nova abordagem de regulação, partindo da base, diversa da tradicional que parte do topo. Em tema de Internet, devemos ter cuidado com ambas as abordagens, seja para não cair em censura central, seja para não dar um poder desmesurado a quem apenas é uma aplicação privada sobre a rede.

O desse raciocínio é perder-se de vista a floresta ao nos concentrarmos nas árvores. Há que se ter clara ideia de como conceituar a Internet, separando-a das aplicações que nela nascem (e morrem) o tempo todo. A rede básica é o conjunto de protocolos e equipamentos que nos permite ir a qualquer destino, sem restrições. Centra-se aí o conceito de neutralidade e a luta para manter a rede aberta, universal e única. Quase equivale ao direito de ir e vir. As “ruas” da Internet transitáveis igualmente por todos, mesmo que a “casa” em cuja porta batemos não nos dê acesso. Ou nos cobre pelo acesso. Aplicações criadas na rede não se confundem com o caminho até elas, e a rede permanece, mesmo que o conjunto de suas aplicações mude ao sabor das preferências dos usuários. Como no coliseu romano, nosso “clique” é nosso voto e ele decide quem terá sobrevida. Exemplos não faltam: o que é feito do “MySpace”, do “Orkut”, do “Second Life”, do “Pokémon”...? Mudam os ventos, mas a rede deve seguir adiante.

Respeitando as regras básicas da Internet, seus protocolos aceitos por consenso, estamos livres para criar novos artefatos e submetê-los ao crivo dos potenciais usuários. A rede, este ecossistema espantoso e livre, deve permanecer íntegra.



http://igf2018.fr/wp-content/uploads/2018/11/WIP-Paris-Messages-.pdf

https://www.intgovforum.org/multilingual/content/igf-2018-speech-by-french-president-emmanuel-macron

https://www.intgovforum.org/multilingual/content/igf-2018-address-to-the-internet-governance-forum-by-un-sg-ant%C3%B3nio-guterres

https://www.cfr.org/blog/unpacking-frances-mission-civilisatrice-tame-disinformation-facebook


terça-feira, 27 de novembro de 2018

Obviedades

Nesta terça-feira 27 de novembro haverá em Londres mais um ato do “affaire” Facebook – Cambridge Analytics. Conta com a presença de representantes legislativos de 8 países, incluindo o Brasil. Um tema que está longe da pacificação mas, ao menos para nós, com a promulgação da LGPD - Lei Geral de Proteção de Dados, estamos num momento melhor  .

A exposição e uso inadequado de dados pessoais, mesmo não sendo algo recente, ganhou um impulso exponencial com a Internet quando passou a ser modelo de negócio de plataformas como as redes sociais.

Se remontarmos ao início da comunicação coletiva, lembraremos que meios impressos antigos contavam com o suporte financeiro provido pelos seus assinantes. Não foi muito diferente a implantação do rádio, que também lançou mão de “rádio-clubes”, de onde imaginava receber os recursos para instalação, equipamentos e funcionamento.

A entrada em cena da publicidade alterou completamente esses modelos econômicos. Se por um lado, com os recursos dos anunciantes os meios puderam se difundir entre todos os públicos e não apenas entre os antigos assinantes, por outro o consumidor potencial passou a ser objeto visado. Rapidamente rádio e televisão firmaram-se como formas “gratuitas” de difusão de entretenimento e notícias, contando com o fluxo crescente das verbas de publicidade. A publicidade àquela época era um “jogo cego”: classificados de jornais atingiam indistintamente um público genérico. Pequena parte dos leitores iriam se interessar, por exemplo, pelo anúncio dos imóveis anunciados enquanto outros, a maioria, iriam usar aquelas páginas para embrulhar peixe ou forrar a gaiola do canário.

Com a Internet e a expansão da Web houve a possibilidade de medir e calibrar o impacto de anúncios. Podendo saber das visitas a cada setor das páginas, vendem-se anúncios mais efetivos e, logicamente, mais caros. Saber quem está vendo meu anúncio, ou quem potencialmente se interessaria pelo meu produto, melhora drasticamente o resultado das campanhas.

A aposta na publicidade aumentou muito, e permitiu que serviços sofisticados, que demandam recursos imensos pudessem ser implementados na Internet, dada a expectativa de lucros ao colecionar e selecionar os possíveis interessados nos produtos anunciandos. E, claro, essa coleta de dados viabiliza toda uma nova leva de serviços (… com os respectivos riscos) à comunidade. Saber onde estão os automóveis num dado momento permite sugerir caminhos. Saber que tipo de remédios alguém procura na rede pode indicar alguma enfermidade. Conteúdos lidos podem revelar interesses e propensão ideológica. E... saber o que você escreve e de que comunidades participa, delineará seu perfil. Tudo isso passa a ser parâmetro, desde seleção de candidatos a emprego, ofertas de seguro de carros e de planos de saúde e até, claro, para disparar ações que podem trazer ainda mais riscos.

O modelo de negócio que nos dá acesso livre e grátis a serviços e informações, hoje indispensáveis, funda-se em obter e usar nosso perfil como consumidor, mas também permite conhecer nossas características pessoais, emocionais e ideológicas. É quase uma barganha faustiana. A forma de minimamente obter alguma proteção é estabelecer limites éticos, transparência nos interesses e ações, e razoabilidade quanto aos dados solicitados. Aí, ao menos, poderemos contar com a ajuda da LGPD.


== Molon sabatina vicepresidente do Facebook (legendado):

=== https://www.youtube.com/watch?v=3CHl2FCuKE4

terça-feira, 13 de novembro de 2018

Em busca de alicerce

Avanços da tecnologia sempre provocam especulações sobre o “futuro da humanidade”. Já quanto à linguagem escrita, Sócrates, cujas ideias chegaram até nós transcritas por Platão, achava que escrever sobre algo era bem mais pobre que discutir oralmente sobre aquele tema. Seria uma representação limitada do argumento, como um retrato é em relação ao retratado. A chegada e a popularização da imprensa também gerou alertas, para não falar das diatribes sobre a revolução industrial. Estamos às voltas com a revolução da informática e da automação e, desta vez, pode ser que realmente haja motivos sérios para preocupação.

Uma forma de olhar para o que vem pela frente passa por constatarmos que agora há uma liderança da tecnologia em relação ao peso que damos a outras considerações mais humanísticas. O poder computacional cresce exponencialmente há décadas e nos leva a um descompasso com outras estruturas de pensamento. Afinal, tudo o que pode ser feito acabará por ser feito, ou seja, podem ser inúteis maiores preocupações com as consequências.

Topei com o artigo “O fim do Iluminismo”, do conhecido Henry Kissinger, em que ele examina a necessidade de uma política associada aos avanços da Inteligência Artificial. Um trecho, já no final do artigo, chamou-me a atenção. Traduzo-o rudimentarmente: “O iluminismo foi liderado por avanços na filosofia, disseminados pelas tecnologias então existente. Nossa época move-se em direção oposta. Geramos uma tecnologia potencialmente dominante, sem uma filosofia orientadora. (...) Assim, penso que a prioridade acima das demais deveria ser buscar formas de relacionar Inteligência Artificial com a nossa tradição humanística”.

Muitos já comentaram, por exemplo, sobre um dilema na programação de carros autônomos e como lidar com acidentes inevitáveis. A programação deveria buscar diminuir o número de vítimas? Ou fazer uma escolha entre as vítimas potenciais por gênero? Idade? Status? Deveria buscar a preservação do proprietário e passageiros do veículo acima de outras vidas? O prestigioso MIT (Instituto de Tecnologia de Massachussetts) criou uma forma de mapear as respostas que se obtêm, mundialmente, a esses quesitos éticos. Está em moralmachine.mit.edu. O mais perturbador, entretanto, é notar que as respostas obtidas mostram perfis éticos/morais bem diversos, conforme a cultura e costumes locais. Certamente a Internet tem “culpa no cartório” quando facilitou o acesso a todos, sem distinções de cultura local, interesses, formação. Hoje Sócrates estaria batendo boca numa rede social e é bem provável que alguém pedisse sua exclusão. Não é claro para onde vamos mas, em contraponto ao inegável benefício de expressão que a Internet possibilita a todos, há também que se manter em vista valores éticos inscritos em nossa cultura. Vem-me à mente um texto de Chesterton em que defende uma democracia onde todos devem ter voz, não apenas os que estão vivos. “A voz de nossos mortos chama-se tradição. É a parte da democracia que inclui nossos ancestrais, e que não se submete aos que estamos momentaneamente vivos”.

Parece-me vital voltarmos a buscar algum alicerce com raízes mais profundas.

===
Qual deve ser a decisão de um veículo autodirigido?
moralmachine.mit.edu
===
===
"O Fim do Iluminismo"
https://www.theatlantic.com/magazine/archive/2018/06/henry-kissinger-ai-could-mean-the-end-of-human-history/559124/
===
===
em "Orthodoxy" G. K. Chesterton
http://www.leaderu.com/cyber/books/orthodoxy/ch4.html

<...> Tradition may be defined as an extension of the franchise. Tradition means giving votes to the most obscure of all classes, our ancestors. It is the democracy of the dead. Tradition refuses to submit to the small and arrogant oligarchy of those who merely happen to be walking about. All democrats object to men being disqualified by the accident of birth; tradition objects to their being disqualified by the accident of death. Democracy tells us not to neglect a good man's opinion, even if he is our groom; tradition asks us not to neglect a good man's opinion, even if he is our father. I, at any rate, cannot separate the two ideas of democracy and tradition; it seems evident to me that they are the same idea. We will have the dead at our councils. The ancient Greeks voted by stones; these shall vote by tombstones. <...>
===

terça-feira, 30 de outubro de 2018

Mas isso é defeito ou característica?

A versão em inglês desta frase é muito conhecida por quem usa programas de computador: “is it a bug or a feature?”. Ela roda pela área de informática há muito tempo. Pode causar algum espanto o uso da palavra “bug” (inseto) para indicar um defeito. Mas, na computação, há uma base histórica e anedótica para isso. Reza a lenda (e há documentação) que, quando os computadores ainda usavam válvulas eletrônicas e relés eletromecânicos, houve certo dia um mal funcionamento inesperado em uma máquina. Após buscar a causa do problema, verificou-se que um inseto se introduzira entre as lâminas de um relé do computador, causando o mau contato deletério.

O primeiro “bug” foi, assim, literal e um evento mecânico. Com a crescente complexidade da programação, além de eventuais erros físicos em equipamentos, erros de programação passaram a ser muito frequentes. Um programa complexo é de difícil depuração. Mesmo com todo o cuidado do programador, é provável que erros e incoerências tenham escapado. Por extensão do que ocorreu com o relé e o inseto, os erros de programação passaram a ser chamados “bugs”, e o processo de examinar cuidadosamente o programa para livrá-lo dos eventuais erros “debugging” – ou seja, “desinsetização”.

Além dos diversos tipo de erros que podem estar ocultos num programa, ele pode apresentar características inesperadas, introduzidas a propósito no programa, ou, simplesmente, decorrência de alguma inconsistência ou de um “bug”. Um dito irônico afirma que, uma vez detectada a existência de um erro, se ele for convenientemente documentado no sistema, evoluirá e passará a ser considerado uma “característica”. No processador M6800 da Motorola havia uma instrução de máquina não documentada e que, se executada, faria o processador simplesmente desistir de prosseguir e passar a se comportar como um simples contador. O pessoal havia a denominado como “pare e pegue fogo” (HCF,“halt and catch fire” em inglês). Provavelmente esqueceram-se de removê-la após o fim da fase de projeto.

Enfrentamos esse tipo de problema em situações as mais diferentes do nosso dia a dia. Se algo é reconhecido como insuficiente ou gerador de risco, pode-se tentar consertá-lo ou, saindo pela tangente, avisar os usuários que “não é bom” usar determinado recurso, porque pode redundar em dor de cabeça. Nos mapas antigos, por exemplo, as regiões desconhecidas e inexploradas eram marcadas como sendo áreas em que “há dragões”, ou seja, melhor seria não ir para aqueles lados: um erro transformado em característica. Quem quiser prosseguir, que o faça por sua própria conta e risco.

O risco, aliás, é sempre inerente à pesquisa – não se faz investigação sem correr algum risco, mas há que manter em mente a necessidade de não criar riscos adicionais pela simples dificuldade em depurar o que fizemos, ou de não gerar situações que saiam do controle. 

O simples ato de tentar prever tendências e resultados, mesmo que executado com plena isenção, pode envolver metodologias e amostras nem sempre controláveis nas condições disponíveis. 

Mas, como somos todos humanos e falíveis, sempre podemos lançar mão de alguma explicação posterior, que transforme o que pareceria uma falha metodológica ou de aplicação, numa interessante “característica inesperada”. Mas a quem sofreu as consequências, não alivia saber se elas foram devidas a um “bug” ou a uma “feature”.


====
O "bug" do Mark II em pessoa!

https://en.wikipedia.org/wiki/Software_bug



terça-feira, 16 de outubro de 2018

'Há ainda muito a ser feito', Jon Postel

Há versões sobre o ânimo original da Internet. Opto pela que parece-me acomodar dados e fatos. A Internet nasce como sucessora da Arpanet, projeto de rede encomendado à ARPA (Advanced Research Projects Agency) e financiado pelo DoD (Departamento de Defesa Norte-Americano). O recurso que sustentou o projeto é de origem militar. Mas o resultado, almejado pelos líderes do projeto e cientistas envolvidos, no ambiente e mentalidade dominantes nos anos 60 em círculos intelectuais nos EUA, foi uma rede totalmente aberta, sem controle central, sem censura e sem restrições. Leonard Kleinrock, um dos pais do projeto, tem em sua sala na UCLA (Universidade da Califórnia, Los Angeles) placa que marca a inauguração da Arpanet em 29 de outubro de 1969, ano em que também houve Woodstock...

Kleinrock continua ativo na UCLA. Além dele, muitos foram fundamentais no projeto, a começar por J.C.R. Licklider, diretor da ARPA à época, que escreveu textos que anteveem o futuro das redes. Vale a pena uma consulta rápida sobre seus textos e seu perfil.

Tive a sorte de poder encontrar três outras personagens fundamentais. Claro que há muitas mais. Centro-me nessas porque constituem o eixo central, o tripé mais conhecido. Vint Cerf, hoje “Evangelista Internet” na Google, que junto com Robert Kahn escreveu o TCP/IP, protocolo que se firmou como o de escolha para redes amplas, Steve Crocker, que serviu até 2018 como Presidente da ICANN e que assina em abril de 1969 o primeiro RFC (Request For Comments), série aberta e acessível que contem toda a documentação sobre a rede, incluindo os padrões definidos e... Jon Postel. Postel nasceu em 1943 e faleceu em 16 de outubro de 1998, há exatos 20 anos. Foi um baluarte técnico e dos conceitos da rede. Batalhou por uma rede aberta, descentralizada, sem controle nem burocracia, baseada em colaboração e confiança. Postel confundia-se com a IANA (Internet Assigned Numbers Authority) na tarefa de distribuir os endereços IP necessários ao funcionamento da rede e era o editor dos RFC, o organizador dos documentos e discussões sobre a Internet. Era ele também quem delegava domínios, como os de código de país. Em abril de 1989 delegou, sem maiores liturgias, o .br ao time técnico e acadêmico que operava a rede brasileira. Bastava-lhe concluir que a rede local estava ancorada onde havia entusiasmo e serviço à comunidade, para fazer a delegação. Era fácil reconhecer Postel: a indefectível mochila às costas, longas barbas e melenas, e sandálias de couro – o arquétipo comum dos técnicos “de raíz” da época. Um sujeito acessível, mas convicto do que pensava, portanto turrão. Manter o que ele defendeu é, em parte, a razão de ser do decálogo do CGI, lançado em 2009. A Internet que Postel queria era uma rede distribuída, com um núcleo sólido mas simples e agnóstico. A ação ocorreria nas bordas, a cargo dos usuários, conteúdos, serviços. Hoje vê-se uma concentração de poder no centro da rede, o que pode afetar sua neutralidade. Se os usuários passarem a ter sua atividade monitorada, ou sugerida pelo centro, isso pode ser ruim e perigoso. Talvez os riscos da atual centralização forcem o pêndulo do poder a voltar de novo para a periferia da rede.

PS. No youtube.com há um vídeo curto, de Vint Cerf, “I remember IANA”. Vale a pena vê-lo.


Material adicional: RFC 2458 - "I Remember IANA", em:
https://tools.ietf.org/html/rfc2468
https://www.youtube.com/watch?v=h2SpygwimA8&t=143s
https://www.internetsociety.org/grants-and-awards/postel-service-award/ten-year-tribute-jon-postel/



http://www.postel.org/remembrances




terça-feira, 2 de outubro de 2018

Boas Maneiras

A forma de convivência mais segura não é, ao contrário do que possa parecer, a existência de leis que nos obriguem à civilidade e à lhaneza, mas algo mais profundo e cultural, que nos constranja a seguir uma etiqueta social de convívio. Mais importante que uma lei que nos mande ceder o lugar a um ancião ou a uma grávida é termos a convicção moral de que isso é o correto a fazer.

O convívio na Internet segue na mesma linha. Sendo uma rede composta de milhares de redes autônomas independentes que aceitam voluntariamente integrar-se num único corpo, a cooperação e colaboração entre todas é vital para que a colcha de retalhos resultante seja operacional, eficiente e segura. 

Apenas como exemplo, lembremos como funciona a descoberta de rotas na Internet: como uma mensagem, que mando de meu computador a um distante alguém, chegará ao seu destino? O “mágico” que opera a proeza é um padrão, com mais de 20 anos de existência, chamado BGP (Border Gateway Protocol), o protocolo de borda. O BGP orienta a uma rede que, numa espécie de confidência vicinal, informe às suas vizinhas o que sabe e o que ela contêm, ao mesmo tempo que recebe esse tipo de informação das vizinhas. A troca de informações é propagada e gera uma tabela de roteamento que define caminhos e, passo a passo, levará a mensagem ao destino. 

Há muitas outras minúcias no roteamento da Internet, mas essa descrição simplista mostra claramente como funciona a colaboração: os dados andam na rede porque seus integrantes cooperam e repassam o que sabem aos vizinhos, criando rotas dinâmicas e eficientes. 

O lado complexo e obscuro fica por conta dos detalhes, tradicional residência do Tinhoso... Sempre os mal-intencionados podem se valer da confiança que receberam de seus pares, para fraudar o bom comportamento da rede toda, seja disseminando informações falsas afetando rotas e topologia, seja fazendo-se passar por outrem para atacar alguém na rede. O dilema dos técnicos e operadores é como resolver (ou minimizar) essas ameaças, sem romper com os princípios fundadores da rede. Afinal, a Internet é conservadora em termos de princípios.

A Internet Society (ISOC), uma das instituições mais tradicionais, foi fundada em 1992 e funciona também como suporte administrativo ao IETF (Internet Engineering Task Force). A ISOC lançou uma iniciativa para, preservando as boas características da rede, diminuir o espaço de ação dos malfeitores: MANRS (Mutually Agreed Norms for Routing Security), algo como “normas mutuamente acordadas para a segurança do roteamento”. Os iniciados na área pronunciarão o acrônimo em inglês como “maners”, ou seja “maneiras”. Boas maneiras. 

Há vasta informação sobre o MANRS na Internet (em www.manrs.org). Se todos os operadores de redes autônomas implementarem as medidas que o MANRS prescreve, é bem provável que o número de ataques de negação de serviço e quetais diminua. E há a boa notícia de que muitos já aderiram e novos continuam a chegar. O NIC.br, que opera os Pontos de Troca de Tráfego no país, assinou com a ISOC um memorando de entendimentos para apoiar a disseminação do MANRS. São tempos em que necessitamos cada vez mais de “boas maneiras”, tanto na rede como na sociedade, para preservar, ainda, alguma esperança.


www.manrs.org

terça-feira, 18 de setembro de 2018

Temperança


Vivemos tempos de sensibilidades exacerbadas e do pipocar de emoções que rapidamente assumem o controle. Talvez seja uma consequência não desejada, que advém do fato muito positivo de que mais e mais estamos todos em contato via rede, e mais e mais falamos. Pode ser que estejamos testando nossa voz e seu alcance. Ou que estejamos experimentando a embriaguez da visibilidade.

Acabamos de ver, ao vivo, o incêndio que devorou tanto da nossa história. Por toda a parte, manifestações de pesar e de solidariedade, e o clamor de providências mas agora tardias: “casa arrombada... tranca na porta”. Claro que hoje é mais fácil salvar textos e ideias digitalizando-os. A velha ocupação dos copistas, que preservaram até nós tantos documentos inestimáveis, ficou bem fácil com a tecnologia que temos. Ou nem tanto...

Como bem comentou recentemente Vint Cerf, há riscos de um apagão gigantesco na história porque os dados preservados dependem também de se preservar o ambiente digital que permitirá recuperá-los – quantos dispositivos, programas, sistemas operacionais já não se perderam nessas poucas décadas? No caso do Museu, mesmo com a digitalização possível de material, o que se perdeu fisicamente é irrecuperável.

Conteúdo e contexto vieram à baila de novo quando li que uma importante comunidade de desenvolvedores de “software” aberto decidiu banir de manuais e do próprio código a expressão “master-slave” (mestre e escravo, em tradução literal).

Lembrei-me das aulas de eletrônica nos anos 70 quando aprendi o que era “flip-flop”, circuito de comutação e de memória. Existe em várias configurações, uma delas a de “master-slave”, que descreve uma operação em que parte do circuito comanda o contexto, e outra parte segue servilmente.

O conceito de “escravo” é algo nefasto e que já deveria estar totalmente removido da sociedade, mas o “escravo” do circuito em questão é apenas uma função não associável a qualquer imoralidade humana. Ao contrário, penso, detectar um problema oriundo do sentido original é uma forma de reviver a dor de mazelas que a humanidade busca intensamente remediar.

Do ponto de vista etimológico, sempre me ensinaram que a língua é dinâmica e que evolui ao talante de seus usuários. Seria “formidável” (e pedante) fazer as palavras voltarem à etimologia original. Ah, note-se que usei “formidável” em sua semântica primeira: “aquilo que mete medo, que é assustador”.

Eliminar palavras inadequadas levou-me a outra lembrança: Z, o filme premiado de Costa Gavras, trata do assassinato do deputado e ativista grego Gregório Lambrakis em 1963. Como mostra a história, em meio ao cenário de tumultos e de conflitos, houve o golpe militar que instituiu uma totalitária junta govenante. Durou de 1967 a 1974. Z, que é de 1969, trabalha com a corajosa investigação e julgamento dos envolvidos no assassinato.

Quando tudo parece apontar para a punição dos culpados, que também atingiria escalões políticos, ocorre o golpe militar truncando o processo. A cena final é um “anúncio em rede de televisão” em que se anuncia a “nova ordem no poder”. Termina com uma lista de temas que passam a ser banidos no país: diversos escritores, estilos de música, filósofos e... a letra Z!

Haveria que se coibir do uso da letra Z, porque sendo a primeira letra da palavra “vive” em grego, era usada nas pichações de protesto pelo assassinato de Lambrakis. Parece claro que proibir palavras, letras ou ideias nunca será solução para nada...