terça-feira, 17 de setembro de 2019

Vamos guardar um segredo?

Durante o momentoso caso Snowden em 2013, ouvimos falar bastante dos “5 olhos”, uma ação supra-nacional que envolveria as organizações de inteligência de cinco países: Estados Unidos, Grã-Bretanha, Austrália, Nova Zelândia e Canadá. Criada inicialmente no contexto da guerra fria, com o recrudescimento de atividades de terrorismo, passou a abarcar um universo geral e suas ações tornaram-se mais visíveis, envolvendo programas como o PRISM e outros.
No outro extremo do espectro, o abuso na aquisição de dados pessoais relacionado a empresas atuantes na Internet, levou países a buscarem legislação que protegesse as informações de seus cidadãos. A Comunidade Européia puxou o trem com a implementação da GDPR em maio de 2018 e, logo após, o Brasil também promulgou sua lei de proteção de dados individuais, a LGDP, que deverá entrar em pleno vigor em 2020.

A Internet segue equilibrando-se entre esses dois pólos, tentando preservar a íntegra de seus princípios. Princípios que refletem direitos básicos nossos. E ela, organicamente, reage às pressões e se altera correspondentemente: o excesso no monitoramento de nossos passeios pela rede provocou o expansão de navegadores como o Thor, que permitem uma navegação com privacidade; o abuso de terceiros, lerndo nossa correspondência, estimulou a popularização de criptografia. Da mesma forma que a população de mariposas na Inglaterra mudou darwinisticamente de cor, passando a se camuflar em locais com fuligem e poluição, a Internet lança mão de ferramentas que a protejam.

Como tudo tem pelo menos dois lados, surgiu o debate sobre a legalidade no uso da criptografia, especialmente a robusta, aquela muito difícil de quebrar. Sob o argumento de que “é necessário monitorar o que se passa para prover mais segurança aos cidadãos”, há os que querem acesso a material criptografado, seja impondo aos fabricantes de equipamentos que providenciem uma “porta dos fundos” pela qual os agentes de investigação possam “ler” o que se transmite, seja por simplesmente tentar colocar fora da lei o uso da criptografia. Exemplo recente e preocupante é a lei australiana, promulgada no final de 2018, que obriga prestadores de serviço e fabricantes a providenciarem formas de acesso “legível” ao que transita. Mais iniciativas no mesmo sentido podem ocorrer se a comunidade não tratar de se defender.

O argumento de que “é para o nosso bem que órgãos de segurança possam ler qualquer mensagem” não se sustenta. Não se troca privacidade por segurança: buscam-se as duas! Afinal, se houver uma “porta dos fundos”, acabará serventia também dos mal-intencionados. Recentemente o IAB, Internet Advisory Board, manifestou-se defendendo com ênfase o direito ao amplo uso de criptografia fim-a-fim, como sendo “fundamental para a busca da confiança” na rede. No mesmo documento, além do chamado à restauração da confiança na rede, há um alerta para os danos que uma legislação precipitada, ou mal elaborada, pode causar.

Sem criptografia, nossa privacidade está em risco. No 1984, de George Orwell esse futuro indesejável está descrito: “...daqui prá frente, se você quiser manter um segredo, você deverá escondê-lo até de si mesmo!”


===
Sobre a lei australiana de criptografia:
https://www.bbc.com/news/world-australia-46463029

Documento do IAB:
https://www.iab.org/documents/correspondence-reports-documents/2019-2/avoiding-unintended-harm-to-internet-infrastructure/

Página da ISOC correspondente:
https://www.internetsociety.org/issues/encryption/


terça-feira, 3 de setembro de 2019

Dilemas...


Dilemas...

Não é fácil encontrar a tramontana no ambiente de crescente complexidade em que estamos. Dados são insumo fundamental a qualquer ação, mas se colhidos sem cuidados podem violar nossa privacidade. Sua proteção mereceu uma lei específica e importante e que está a poucos meses de viger. Por outro lado, aplicações necessitam de dados e da experiência humana para melhorar a qualidade do serviço que prestam. A Lei Geral de Proteção de Dados, a exemplo do Marco Civil da Internet, demorou alguns anos para ser editada, e isso pode ser um bom indício. Ao inovar, a legislação deveria sempre ser cautelosa e valer-se do lema do imperador Augusto, “apressa-te devagar!”. Cuidemos para que se mantenha a base legal em que se funda nossa sociedade e que, ao definir a estrutura de direitos do homem, permitiu-lhe escapar da barbárie.
Tensões entre o novo e o já existente são perenes. Chesterton foi bastante feliz em definir conservador como “aquele que busca perpetuar os erros do passado”, e progressista como “aquele que procura produzir erros novos”.
Permito-me uma analogia com a inteligência artificial, especialmente no “aprendizado de máquina”. Sem discutir a aplicabilidade do conceito de “aprendizado”, haveria duas vertentes principais: sistemas “conservadores”, que aprimoram seu funcionamento ao acumular a experiência humana disponível, e os sistemas “progressistas” que buscam, por inferência independente, gerar novas soluções. No primeiro caso podemos exemplificar com a tradução automática, que melhorou bastante ao se valer da base de traduções humanas existentes. Para o segundo temos os sistemas que “aprendem” sem supervisão humana, e não raramente nos surpreendem pelas escolhas que fazem.
Outro debate corrente é quanto aos “algoritmos” e seu eventual viés. No caso “conservador” é pouco provável haver um viés intencional incluído no algoritmo: ele apenas seguiria o que os dados que recebeu indicam. Mesmo quando aspectos de seu funcionamento geram reservas, talvez devêssemos aceitar que ele reflete os dados que há no domínio amostrado. Adapto aqui uma frase de Vint Cerf sobre a Internet: os algoritmos varrem dados e, como espelho, mostram o que lá existe. Se não gostamos do que vemos, não é culpa do espelho.
A aventura humana nos levou a planar acima das estatísticas e dos dados. Ao esposarmos, por exemplo, a igual dignidade de todos os humanos, a tese não se funda em números ou em “big data”, mas no arcabouço filosófico e moral estabelecido. Não há nem como, nem por que, buscar confirmação numérica, estatística, ou mesmo científica dessa tese.
Bertand Russel, um cientísta filósofo e pacifista, escreveu em 1953 sobre a busca de objetivos pouco sensatos: “Se o objetivo for uma tolice, quanto mais eficientes os meios de que dispomos, pior será. Conhecimento é poder, tanto para o bem quanto para o mal. A menos que os homens cresçam ainda mais em sabedoria, qualquer aumento de conhecimento será apenas aumento da dor”.
Usemos os dados de que dispomos, sem violar a privacidade dos indivíduos, para conhecer melhor o mundo que temos. De novo nas palavras de Bertand Russell, “sabedoria é, inicialmente, entender o mundo como ele é, e não como gostaríamos que fosse”.

===
Video curto do Bertrand Russell sobre o futuro:
===

https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/1/18/Bertrand_Russell_photo.jpg






terça-feira, 20 de agosto de 2019

Ética artificial?

A moda é falar de inteligência artificial, IA. O primeiro percalço já vem no nome da coisa: primeiro há que se definir o que seria “inteligência”. E, mesmo após chegando a uma eventual definição satisfatória, ver como “artificial” se aplica. Afinal, se algo pode comportar-se de forma “inteligente” mesmo que via um artifício, essa qualidade estaria agora inerentemente adquirida e deixaria de ser “artificial”.

Sob essa denominação agrupam-se diferentes técnicas de processamento de dados e tomada de decisões que hoje usamos. Há a “ciência de dados”, que se ocupa dos mecanismos de tratamento de quantidades vultosas de dados brutos em busca de correlações e informações inferidas, há o “aprendizado de máquina”, quando um programa escrito pretende aperfeiçoar seu funcionamento pelo que “observa” do mundo, e há o “aprendizado profundo”, quando o sistema evolui para comportamentos não previstos em sua programação inicial e que decorreram de sua experiência com sucessos e fracassos anteriores.


É comum um sistema ser “treinado” na execução de tarefas humanas, valendo-se de uma quantidade imensa de informação a ele fornecida. Adicionando coleções de imagens sobre determinada manifestação de uma doença, podemos fazer com que o sistema a detecte. Um artigo no New York Times da semana passada comenta que mão de obra humana é contratada até para “ouvir tosses”, de forma a ajudar o sistema a classificar qual tosse é
suspeita de algo mais grave. Teremos sistemas fornecendo diagnósticos médicos, elaborando decisões judiciais ou econômicas, tomando decisões.


O que me preocupa nisso é que máquinas e programas, objetos materiais que são, não podem ser responsabilizados por resultados anti-éticos ou amorais. Ética e comportamento humanísticos generoso são apanágio dos humanos. É humano desconsiderar eventuais características de outrem em prol de tratamento digno igualitário. É humano perdoar erros ou admitir falhas. Se fosse possível incluir na evolução da IA vieses humanos, nem sempre lógicos ou matemáticos, isso seria alvissareiro e positivo. 


Contemplar decisões com base em simples cômputo numérico, reforçado por resultados anteriores de sucesso e fracasso, é abrir mão da humanidade que ainda temos. Não se espera de um programa com IA que, por exemplo, na análise de concessão ou não de um empréstimo a um solicitante, exiba um comportamento “humano” como é o caso da intuição e da emoção. Pelo contrário, a regra que “aprendeu” da experiência anterior será inflexível: se há riscos financeiros no investimento, ele não será feito, mesmo nos casos em que, humanamente, a decisão pareceria cruel ou imoral. No confronto insensível dos números e resultados, a decisão tomada será a logicamente vantajosa, mesmo que moralmente abjeta. Lembro do filme de Kubrick e Clarke, 2001 Uma Odisséia no Espaço, quando Hal, o “inteligente” computador de bordo que controlava a viagem da nave, decide deixar o humano (Bowman) morrer fora da espaçonave, para não colocar em risco a meta principal da viagem.

Usar o potencial das máquinas como ajuda ao que queremos atingir é positivo, é o que vem pela frente e é bom que seja assim. Porém atribuir a elas decisões em ações que envolvam a própria essência do que se entende por “humano”, parece-me uma contradição em termos, e pode ser um caminho sem volta.


===
O artigo citado do N Y Times pode ser visto em:

https://www.nytimes.com/2019/08/16/technology/ai-humans.html

e sua tradução:

https://link.estadao.com.br/noticias/cultura-digital,conheca-a-rotina-nada-futurista-de-quem-treina-inteligencia-artificial,70002975428

Há um interessante artigo do Prof. Valdemar Setzer em:

https://www.ime.usp.br/~vwsetzer/IAtrad.html
===

terça-feira, 6 de agosto de 2019

Sobrou porque deu!

Anos 80 resolvi fazer uma reforma em casa: um puxadinho para servir de escritório. Seria um pequeno quarto, com alguma fundação, quatro pilares e uma laje de uns 20 metros quadrados. Dois joões trabalhavam: o João Branco, mirrado, fala mansa, bom com a colher de pedreiro, era quem esticava argamassa e cuidava do reboco e acabamentos; e o João Preto, espigado, com um sorriso meio maroto, responsável pelo concreto, pela estrutura e a armação dos ferros. Estava marcado para um sábado o dia de fundir a laje, já montado o madeirame, providenciados roldana, corda, baldes e o material para o concreto. Terminado o enchimento, fui comprar o que era usual para a ocasião, tanto para os brindes, como para os bons auspícios: algumas cervejas e uns sanduíches. A laje estava bonita, bem cheia, e o João Preto sapateava sobre ela para mostrar que tudo estava sólido. Num canto, um caixote de massa, ainda cheio.

– Ô João, e essa massa aí? Sobrou, né?

– Claro, seu Demi. Sobrou porque deu. Se não tivesse sobrado, teria faltado!

Eis aí uma verdade universal enunciada: não existe o zero. Se algo não sobra, é porque faltou! Listo casos que reforçam a lei. Queremos um CPD que funcione ininterruptamente? Entre outras coisas, temos que nos prevenir contra quedas de energia. Parece simples: basta colocar um banco de baterias e instalar um “no-break”. Mas... e o ar-condicionado? O “no-break” não conseguirá sustentar o ar condicionado funcionando. Fácil, adicionamos um gerador. O “no-break” precisa apenas aguentar os computadores por alguns minutos, até entrar o gerador, que suportará também o ar condicionado. Mas, e se a bendita queda da força acontecer exatamente quanto estávamos fazendo manutenção nas baterias ou “no-break”?

Para escapar desse risco precisaremos de dois conjuntos de reserva, para que ao menos um esteja sempre à disposição. O mesmo ocorre com o gerador: se houver um só e estiver em manutenção programada ou apresentar falha, estaremos a pé de novo. Um otimista diria que esse conjunto de ocorrências é improvável...

Improvável pode ser, mas impossível não é – basta lembrar do Titanic... Em resumo, para evitar falhas em equipamentos críticos deve haver redundância suficiente que inclua, por exemplo, indisponibilidades de módulos de reserva. Para posições críticas devemos fazer como no futebol: é melhor levar dois reservas para o goleiro...

Quando dimensionarmos recursos de banda e processamento na internet, é temerário levar em conta apenas o pico de uso previsto. Bastará um ataque de negação de serviço para atolar máquina e banda. Mesmo com medidas de atenuação, o remédio viria depois do estrago feito. Há que superprovisionar. O mesmo se passa com o DNS na resolução de nomes de domínios na rede: espalham-se diversos servidores DNS para resistir bem a ataques. O .br tem vários servidores, um deles alocado na Alemanha. Como contrapartida, o .de tem um servidor no Brasil. Cooperação para segurança segue sendo mote central da internet.

E a segurança nossa, pessoal, de cada dia? Claro que é importante usar senhas fortes, que não sejam vulneráveis a ataques “força bruta”, mas os realmente prevenidos usarão autenticação com dois fatores. Afinal, se não sobrar segurança, ela vai faltar!

terça-feira, 23 de julho de 2019

O Cubo de Rubik

Já se vão 45 anos de quando o húngaro Erno Rubik criou um apetrecho usado num jogo desafiador: o “cubo mágico”, rebatizado para “Cubo de Rubik”. Suas 6 faces, inicialmente uma de cada cor, estão divididas em 9 facetas de cubos menores, resultando em 54 facetas visíveis de 26 cubinhos engenhosamente acoplados a uma estrutura que permite rotações dos planos desses cubinhos. O desafio consiste em, partindo de uma disposição inicial aleatória, fazer as rotações necessárias para que 0 cubo volte a ter uma face de cada cor.

Não são nada simples ou intuitivos os movimentos que levavam à solução. Lembro-me de colegas, objeto de admiração (e de alguma inveja...), mostrando o cubo resolvido após alguma longa e misteriosa manipulação.

Na semana passada, surgiu na rede um artigo científico anunciando uma solução para o cubo, que excede em velocidade os melhores humanos e usou aprendizado profundo (em “deepcube.igb.uci.edu”) . É mais um passo na solução de desafios com o uso de inteligência artificial, com variantes.

Na programação tradicional estática, a forma de atacar o problema do cubo seria escrever um algoritmo reproduzindo o que um humano faria, passo a passo. Uma receita de bolo, a ser seguida pelo computador. Se a opção é usar aprendizado de máquina, o usual seria criar uma base de soluções já conhecidas e fazer o programa definir uma estratégia a partir disso. Era a abordagem em programas para xadrez, onde a experiência de jogos de grandes mestres orientou o “aprendizado” do programa. Também o aperfeiçoamento dos sistemas de tradução por máquina valeu-se da base existente de traduções. Com o uso pesado de dados, associado à tutoria humana, tem-se um comportamento similar e eficiente.

Evolução do “aprendizado supervisionado”, mencionado acima, seria o “auto aprendizado”: fornece-se ao programa apenas as regras de como as peças se movem. Ele partirá, assim, do zero e, por experiência e erro, treinará sua rede neural para identificar estratégias vencedoras. Foi o método adotado no sistema AlphaZero, que de início sabia apenas como mover as peças do xadrez. Fazendo-o jogar contra si mesmo, “aprendeu” estratégias vencedoras a ponto de, após apenas quatro horas alegadas de autotreinamento, bater grandes mestres e programas convencionais. Espantosamente, o AlphaZero escolhia movimentos inusitados numa primeira análise humana e, mesmo assim, vencia.

Até há uns anos, a via do auto aprendizado era um caminho lento e pouco animador. Hoje, com a velocidade de processamento disponível, a opção de “deep learning” (ou aprendizado profundo) é cada vez mais viável.

A solução proposta para o Cubo é uma variante do aprendizado profundo. Afinal este é um jogo solitário, sem “treino” possível, com uma infinidade de configurações iniciais e única posição final vencedora. Movimentos aleatórios buscando solução poderiam levar um tempo imenso e sequer convergir.

A proposta descrita no artigo envolveu criar uma estratégia que mistura avaliações do progresso já feito, com a árvore de decisões a ser seguida. O resultado foi um programa que aprendeu, sem tutoria humana, a solucionar o Cubo de Rubik com mais eficiência que os melhores especialistas humanos. Interessante e preocupante: afinal, é mais uma situação em que geramos algo que, ao mesmo tempo, nos ajuda e... nos torna obsoletos.
















===

A demonstração do Cubo com IA:
http://deepcube.igb.uci.edu/

O artigo referido acima:
https://openreview.net/pdf?id=Hyfn2jCcKm

Solução tradicional, em até 30 movimentos,  e o "número de Deus"
https://www.newscientist.com/article/dn19301-god-couldnt-do-faster-rubiks-cube-mystery-solved/

Referências na rede:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Cubo_de_Rubik

https://news.uci.edu/2019/07/15/uci-researchers-deep-learning-algorithm-solves-rubiks-cube-faster-than-any-human/

https://www.cnet.com/news/ai-can-solve-a-rubiks-cube-before-you-even-get-started/#ftag=COS-05-10aaa0j

terça-feira, 9 de julho de 2019

ICANN em Marrakesh


A Corporação da Internet para Atribuição de Nomes e Números (ICANN na sigla em inglês), criada em Los Angeles, Estados Unidos, em setembro de 1998, é uma organização privada, sem fins de lucro, que cuida de nomes de domínio e números IP na Internet. 

Em junho realizou sua reunião de número 65. As reuniões tem rodízio regional e são classificadas conforme seu formato. Esta última correspondeu à África e foi do tipo B, “política”. Há as do tipo A, “comunidade” e do tipo C, “reunião geral anual”). A próxima, em novembro, será em Montreal, no Canadá, do tipo C.

Em sua criação, a ICANN escolheu ter uma estrutura muito ampla, para além dos operadores técnicos de nomes (registros e registradores) e de números (provedores de acesso). Incorporou um grupo de assessoria de governos (GAC) e criou conexões com diversos órgãos técnicos, além do conjunto geral de usuários.

Estava claro que a expansão não seria simples nem indolor – lembre-se que, originalmente, a atividade era feita pela IANA, com um punhado de pesquisadores na USC, Universidade da Califórnia do Sul. Tensões surgiram de imediato e estão longe de se dissipar.

Uma, logo no início, se deveu a que parte dos representantes de governos que entraram no GAC original em 1998, sequer sabiam da Internet, ou que havia acesso local em seu país, ou que um domínio de duas letras fora alocado para a comunidade, em geral sediado numa universidade ou numa organização não governamental.

Com o tempo houve algum nivelamento, mas outros conflitos surgiram. Um deles foi o debate e a posterior adoção, sob pressão de países que não usam o conjunto de caracteres latinos, de formas internacionalizadas de se grafar um nome de domínio. Com uma solução técnica compatível, tornou-se possível o uso de caracteres não latinos em nomes de domínio. No Brasil, por exemplo, há a possibilidade do uso de acentos, til e cedilha. Assim, é possível registrar e usar “peça-café-e-pão.com.br”.

Outra decisão da ICANN – a de introduzir levas de novos domínio genéricos na raiz – gerou tensão com os envolvidos em “propriedade intelectual” e marcas, dado que teriam que proteger seus identificadores nos novos espaços. Para aliviar o problema, a Icann trouxe à cena a Organização Internacional de Propriedade Intelectual (WIPO, na sigla em inglês), que lidaria com os conflitos.

Mais à frente, a ICANN permitiu que as próprias instituições pudessem registrar sua marca diretamente na raiz. Certamente aí se identificaria a origem do conflito entre a empresa Amazon, que solicitou o registro do domínio “.amazon”, com diversos países da região amazônica, apoiados por outros mais, que se opõem a essa concessão. Foi outro tema quente em Marrakesh.

Claro que nada está tão complicado que não possa piorar... Discute-se hoje se emojis poderiam ser usados como parte de um nome de domínio (!).

Essas “boas ideias” nem sempre levam em consideração que não se trata apenas da identificação de um sítio: para ser de fato útil, além de “divertida e criativa”, a “novidade” teria que funcionar harmonicamente numa diversidade de navegadores e de serviços.

Ainda no tema de DNS (sistema de nomes de domínio) foi discutida sua extensão para uso em protocolos Web (HTTPS) e de transporte (TLS), além do estímulo à adoção maciça do DNSSEC, temas que se revestem de significância especial, tendo em vista a iminente expansão da Internet das Coisas.

Ao final, mesmo com algum sério risco de a reunião acabar indo “para lá de Marrakesh”, sobreviveu-se.


===

Relatório Post-ICANN 65:
https://meetings.icann.org/en/marrakech65/post-icann65-policy-report-11jul19-en.pdf

Sobre o uso de "emoji" em DNS:
https://nic.br/media/docs/publicacoes/4/sac-095-en-converted_pt-br.pdf

Documento do SSAC - Security and Stability Advisory Committee,  maio 2019
https://www.icann.org/en/system/files/files/sac-105-en.pdf

Resultados da reunião de Berlim, Internet & Juridiction, junho 2019
https://www.internetjurisdiction.net/uploads/pdfs/Berlin-Roadmap-and-Secretariat-Summary-Global-Conference-Internet-Jurisdiction-Policy-Network.pdf

"Qualquer coisa˜, de Caetano Veloso:
https://www.youtube.com/watch?v=iNUsnjV3FIc

terça-feira, 25 de junho de 2019

Quem sou?

Máquinas autônomas, como os carros auto-conduzidos, podem estar muito próximas da viabilidade técnica, mas ainda estão longe de garantir “comportamentos” moralmente aceitáveis para os humanos. O Media Lab do Massachusetts Institute of Technology (MIT) desenvolveu, há algum tempo, um projeto chamado “moral machine” (máquina moral) que recolhe contribuições sobre como diferentes indivíduos, com diversas bagagens culturais, definiriam escolhas moralmente aceitáveis. Algumas são fáceis de prever, outras nos colocam em xeque. 

Vejamos: parece razoável que, num inevitável acidente, opte-se pela solução que gere menos vítimas fatais. Um operador de desvio ferroviário pode se ver numa situação em que deve escolher para qual de dois ramais desviará um trem. Num ramal há cinco pessoas sobre os trilhos, e no outro apenas uma. Mesmo com pesar, parece certo desviar o trem para o trilho em que há apenas uma pessoa, poupando cinco. Modifiquemos o cenário, eliminando a bifurcação. De novo há os cinco humanos expostos ao trem, e agora há uma ponte sob a qual o trem passará. Nesta ponte está um homem avantajado e pesado que, se for arremessado sobre os trilhos, fará o trem parar poupando os cinco. Poucos optam, neste caso, por empurrar a vítima ponte abaixo, mesmo que isso represente salvar cinco. São complexas as regras morais que usamos para decidir algo, e que eventualmente gostaríamos de ver refletidas nos autômatos. Vale a pena uma visita em “moralmachine.mit.edu”

A coisa se complica ainda mais quando considerarmos a criação de personalidades artificiais. Dia desses recebi um vídeo em que um Salvador Dalí, redivivo, falava e gesticulava de forma muito convincente e natural. Mais que isso, ele respondia a perguntas dos admiradores e até tirava fotografias com eles. 

Bem... Isso não nos causa mais tanto espanto: a partir de uma simples fotografia sabemos que já se pode criar uma animação curta e, se tivermos dados sobre a voz da pessoa e alguma documentação de seus tiques gestuais, a animação ficará quase indistinguível de uma cena real. Algo falso, profundamente falso e, ao mesmo tempo, profundamente realista.

Além de se poder falsificar a realidade em formas bastante críveis, pode-se “criá-la” do
 nada. Já há como gerar imagens de pseudo indivíduos que nunca existiram, mas que nos parecem naturais e perfeitamente e possíveis. Bem distante de caricaturas graficamente rudimentares e facilmente reconhecíveis. À medida em que a distinção tornar-se menos e menos perceptível, não estaremos longe de duvidar até de realidades de nosso passado. Aquele filme em que estou dançando, aparentemente bêbado, será meu mesmo? Afinal não sou nada hábil em meneios corporais, mas... afinal, pode ser que estivesse tão alterado que perdi a memória clara do evento. E neste, onde eu, normalmente contido, estou agressivamente ofendendo um amigo de longa data? Por que raios eu estaria fazendo isso? Seria eu mesmo?

Fernando Pessoa, que tinha isso sob estrito controle, escreveu: “... Eu sou muitos. Mas, com o ser muitos, sou muitos em fluidez e imprecisão. Muitos creem coisas falsas ou incompletas de mim; e eu, falando com eles, faço tudo por deixá-los continuar nessa crença. Perante um que me julgue um mero crítico, eu só falo crítica. A princípio fazia isto espontaneamente. Depois decidi que isto era porque, no meu perpétuo anseio de não levantar atritos...”


===
MIT, Media Lab:
http://moralmachine.mit.edu

Salvador Dalí:
https://www.youtube.com/watch?v=MZ2X-fSIPSU

o trecho do Fernando Pessoa:
http://arquivopessoa.net/textos/2676
===